Na contramão da violência, Sossego e outras cidades dão exemplo de paz

Cuité Pb online | 14:10 | 0 Comentários

Partilhar

A violência é um dos fenômenos sociais que tem atingido milhares de brasileiros nos mais de 5 mil municípios do país. Na Paraíba, a onda crescente desse mal, tem deixado a população em pânico e com a constante sensação de insegurança. Os crimes avançam a cada dia e com modalidades diferentes.

Um levantamento feito pelo Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Penal, do México, mostrou que Campina Grande e João Pessoa estão entre as cidades mais violentas do mundo. De acordo com o levantamento da Ong mexicana, a capital paraibana está e 9º lugar no ranking das 50 cidades mais violentas do mundo, e a Rainha da Borborema aparece entre as 50 mais inseguras do planeta. Os números atendam essa realidade. Em 2013 mais de 180 assassinatos foram registrados em Campina Grande, e este ano, a polícia já contabilizou 12 homicídios na segunda maior cidade do Estado.

Algumas autoridades tentam justificar o crescimento descontrolado da violência, alegando que esse problema se trata de uma questão nacional e que depende de uma série de fatores para ser revolvido. A falta de políticas que garantem a geração de emprego, a prevenção as drogas e investimentos robustos em educação, são apontados pelos especialistas como a raiz do problema, e o nascedouro da onda temível.

Desmistificando a ideia de “problema nacional”, algumas cidades dão exemplos de que a população ainda pode viver em paz e tranquila longe dos “ tsunamis” da violência que avançam nos grandes e pequenos municípios brasileiros.

Mesmo na era moderna onde uma cultura de morte impõe medo a população, ainda se encontra cidades no país em que as pessoas podem caminhar livremente sem o medo dos bandidos. Nesses lugares, a calmaria e o sossego reinam. As pessoas ainda cultivam o hábito de dormirem com as janelas abertas, e de se sentarem na frente de suas casas a tardinha para conversar. Sem o risco “dos arrastões”.

Sem grades e cadeados, as cidades que andam na contra mão dos tempos modernos, mostram que a paz é possível. Gramado na Serra Gaúcha, é um exemplo. A “cidade luz”, com mais de 35 mil habitantes, é uma das mais calmas do Brasil. Registrou apenas 6 homicídios nos últimos seis anos, e nenhum deles, motivados por drogas e tentativas de assaltos. Lá as pessoas caminham tranquilamente a qualquer hora sem o medo de assaltos. 

Entretanto, não é preciso ir longe para se descobrir um povo feliz, alegre e tranquilo, que descansa ao final do dia sem o medo da violência. Sossego, no Curimataú da Paraíba, não registra homicídios há três anos. Sem Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), desde 2011, o município comemora os números. Com uma população de 3.376 habitantes, Sossego vive uma realidade bem diferente das demais cidades paraibanas. Os comerciantes não tem medo de assaltos. Alguns chegam a deixar os seus estabelecimentos abertos e saem para fazer compras sem o risco de na voltar ter uma surpresa desagradável. “Eu deixo meu comércio aberto sem ninguém tomando conta e vou para a feira” contou o comerciante José Pedro.

Segundo o delegado seccional da região, João Joaldo Ferreira, o trabalho integrado das Polícias Civil e Militar faz a diferença nos números. O major Afonso Galvão destacou que a parceria entre a polícia e a comunidade também foi importante. “Traçamos um plano de trabalho na área de segurança pública para a cidade. Fizemos reunião com os moradores, conversamos com donos de estabelecimentos comerciais, tivemos audiência na Câmara Municipal e tudo isso contribuiu para o controle da criminalidade nesses três anos”, disse.

Ainda de acordo com o major Afonso Galvão, só depois da mobilização de todos e a intensificação de rondas e operações feitas por uma Patrulha Rural foi possível prender várias quadrilhas que agiam em toda extensão territorial de Sossêgo. Especialista defende investimentos e prevenção para garantir segurança dos paraibanos

Especialista em segurança o delegado e vereador campinense Olímpio Oliveira (PMDB), garante que o exemplo de Gramado e Sossego atesta que a questão da segurança não é um problema nacional.

Bacharel em Direito e Delegado da Policia Civil do Estado, Olímpio disse que não se resolve o problema com retóricas e sim com investimentos. Segundo ele, se houvesse mais investimentos por parte das autoridades, o exemplo de Sossego seria espalhado para os 223 municípios paraibanos “Não se resolve a questão da falta de segurança pública com retóricas e sim com investimentos” disse.

Para ele, os governos federal, estadual e municipal não podem ficar jogando suas responsabilidades e sim trabalhar em conjunto. “O Governo do Estado deveria chamar os policiais que já se formaram na academia, melhorar suas condições salariais e de trabalho, antes de fazer uso da retórica” sugeriu.

Fundador da Associação Campinense de Prevenção às Drogas Campina Grande, Olimpio Oliveira acha que a prevenção ao uso é uma saída para diminuir a onda de criminalidade. “Para mim uma das questões básicas da segurança pública é a prevenção ao uso de drogas pelos jovens. Nos 12 anos que venho fazendo palestras, foram mais de 800 escolas onde primeiro escutamos os alunos, depois os pais e por fim os educadores. Nós temos que chagar nos jovens antes das drogas, senão o vício os tornarão em os novos empregados do crime organizado para sustentar o vício” revelou.

Severino Lopes 

PBAgora

Category:

0 Comentários

Deixe aqui registrada a sua opinião, este é um espaço aberto ao debate!
A sua identificação é bem vinda!
Acima de tudo RESPEITO às opiniões!

Participe e volte sempre!