Professores de escolas públicas de todo Brasil realizarão paralisação geral

Cuité Pb online | 12:03 | 3 Comentários

Partilhar

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação divulgou carta aberta à população informando que entre os dias 14 e 16 de março haverá uma paralisação geral em todas as escolas públicas de nível básico do Brasil. O ato é em protesto pelo não pagamento do reajuste do piso nacional do magistério que passou de R$ 1,187 mil para R$ 1,451 mil.

O reajuste foi anunciado pelo Ministério da Educação na última segunda-feira (27). No entanto parte dos gestores públicos alega que não tem condições de pagar o novo salário aos professores.

Lei a carta na integra

Entre os dias 14 e 16 de março de 2012, as escolas públicas de nível básico, em todo Brasil, paralisarão suas atividades para protestar contra o descaso de grande parte dos gestores públicos em não garantir educação de qualidade socialmente referenciada para todos e todas.

Embora o Brasil, nos últimos anos, venha galgando importantes resultados socioeconômicos – já tendo alcançado o posto de 6ª economia do mundo –, a educação continua sendo um entrave para a inclusão de todos os brasileiros e brasileiras no processo de desenvolvimento sustentável.

Cada vez mais, os meios produtivos exigem maior e melhor qualificação profissional, e as relações socioculturais e ambientais, idem. Sendo que é papel da escola pública garantir o acesso e a permanência de todos ao conhecimento e à participação cidadã na vida política, social e econômica do país.

À luz desses objetivos, que defendemos para a escola pública, a pauta da CNTE para a Greve Nacional dos Trabalhadores/as em Educação consiste em: (i) Ampliar o investimento em educação para 10% do Produto Interno Bruto (PIB), ao longo da próxima década, e exigir a aprovação do novo Plano Nacional de Educação;

(ii) Garantir o cumprimento imediato e integral da lei federal nº 11.738, que vincula o piso salarial profissional nacional à carreira do magistério;

(iii) Implementar a gestão democrática em todas as escolas e os sistemas de ensino, conforme preceitua as normas educacionais e o Estatuto da Criança e do Adolescente;

(iv) Impedir a terceirização das funções escolares, sobretudo daquelas desempenhadas pelos funcionários da educação; e

(v) Assegurar outras pautas locais da educação e de seus trabalhadores.

Diante de temas tão importantes para o futuro de nosso país, convidamos a todos e todas para se juntarem à nossa luta, que é por um Brasil mais justo, próspero, soberano e sem desigualdades que impeçam o direito das pessoas à felicidade e, consequentemente, ao bem estar coletivo.

Quanto às atividades da Greve Nacional, as mesmas serão descentralizadas e estarão sob a responsabilidade das 44 entidades filiadas à CNTE (ver lista anexa). Outros sindicatos da educação, mesmo não filiados à Confederação, também poderão incorporar-se à mobilização e agendar atividades junto aos executivos e parlamentos locais, além daquelas voltadas à comunidade escolar e à população em geral.



Em âmbito nacional, a Greve marcará o início de uma ampla jornada de luta dos trabalhadores por educação pública, gratuita, universal, laica, de qualidade (com equidade), e por valorização profissional, devendo um de seus desdobramentos culminar na denúncia de governadores e prefeitos

– desrespeitadores da Lei do Piso – à Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a outras instituições internacionais, além dos órgãos do Poder Judiciário nacionais.

Certos de contar com a compreensão e o apoio de todos/as, subscrevemos. Diretoria Executiva da CNTE  

MaisPB

Category:

3 comentários:

  1. Não sou professor e nem tenho ninguém na família, mas dou total apoio que lutem pelos seus direitos, pois dizer que não dá para pagar um mísero aumento é muito cômodo para as autoridades gestoras, no entanto para dá benefícios absurdos para os políticos que na maioria não fazem nada o que não faltam são recursos. Tá mais do que na hora dos educadores serem reconhecidos. Vão a luta! que com certeza profissionais como os da educação tem total apoio do povo, afinal sem educação aonde querem levar o Brasil?

    ResponderExcluir
  2. O problema é que muitos prefeitos acham que não podem gastar mais do que sessenta por cento do montante do FUNDEB para o pagamento do magistério,quando na verdade,esse é o percentual mínimo a ser aplicado.

    ResponderExcluir
  3. Não se trata de achar ou não, isso ou aquilo, se trata sim de se cumprir a lei.

    ResponderExcluir

Deixe aqui registrada a sua opinião, este é um espaço aberto ao debate!
A sua identificação é bem vinda!
Acima de tudo RESPEITO às opiniões!

Participe e volte sempre!