.

Coluna Alcides Martins

Cuité Pb online | 10:07 | 2 Comentários

Partilhar SABEDORIA POPULAR 
(Alcides Martins)


Tendo nascido e sido criado na roça, na localidade do Curral do Meio, no município de Cuité/PB, matuto com muito orgulho e defensor ferrenho da cultura nordestina, sempre tive uma grande admiração pelas coisas simples do homem do campo. É muito comum encontrar entre esses inúmeros batalhadores,( sem estudo, sem nenhuma condição financeira), uma alegria , uma satisfação pelo dom da vida e uma grande sabedoria de mundo. Dentre eles, eu sempre tenho em mente um senhor de uma presença de espírito fenomenal. Seu Antônio Lunguinho, como era conhecido, pessoa de bom caráter, agricultor e pedreiro, sem estudo, mas um sábio que nos proporcionou muitos “causos” engraçados através de sua capacidade criadora e de sua presença de espírito. São muitas as estórias atribuídas a Seu Antônio, mas eu vou narrar algumas das quais eu presenciei ou ouvi de sua própria boca. Certa feita ele mesmo me contou que o Pe. Luís Santiago (para quem ele sempre prestava serviços de pedreiro), lá na Fazenda Ubáia, de Barra de Santa Rosa, perguntou por que ele não se confessava e ele prontamente respondeu: “Padre, eu não preciso me confessar porque eu não desejo o mal ninguém, inclusive já perdoei Judas e Satanás”. E o Padre intrigado disse: “Mas Seu Antônio, o Senhor perdoa Judas por qual motivo? Ele foi o traidor de Jesus. E seu Antônio justificou: “Veja bem, Seu Padre, Se Judas não tivesse dado aquele beijo para indicar quem era Jesus entre os que ali estavam, os soldados (que não conheciam Jesus) teriam prendido e crucificado todo mundo. Não ficaria ninguém para divulgar a mensagem de Deus pelo mundo. Por isso eu o perdoo”. “Tudo bem, Seu Antônio” – disse o padre, “mas perdoar Satanás, que criou o pecado, não acha que é demais?” E Seu Antônio mais uma vez justificou: “Ora, Seu Padre, se Satanás não tivesse tentado Adão e Eva, eles não teriam caído na tentação do sexo, sendo assim, nem eu estava aqui trabalhando e nem o Senhor era Padre e nem dono dessa fazenda, porque ninguém teria nascido. Se brincar a gente deve um favor danado a ele, principalmente o Senhor que possui tantos bens.. Em outra ocasião ele me disse: “Professor, (eu, na época, era professor do Grupo Escolar Cláudio Gervásio Furtado, no Curral do Meio, onde iniciei como educador) “Deus fez quase tudo perfeito, mas tem uma coisa que ele não caprichou direito que foi a nossa dentadura. Os dentes nascem (dentes de leite), nascem de novo mais fortes e quando a gente mais precisa deles, que é na velhice, eles caem e não nascem mais. Deus deveria ter feito os dentes do jeito que ele fez o ânus (claro que ele falou outro nome) que foi a coisa mais caprichada que ele fez em nós: de boca pra baixo, sem tampa, e não derrama”. E na mesma hora ele se saiu com essa: “Se eu fosse fazer o homem de novo eu capricharia nos dentes.” E eu, sem entender muito bem o que ele queria dizer, perguntei: “Mas, Seu Antônio, o Senhor está querendo dizer que é Deus?” E ele, na sua sabedoria, respondeu prontamente: “É ,professor, eu até tinha dúvidas, mas Maria, minha mulher, sempre que vai se deitar ou se levantar da cama tem que fazer uma oração que começa assim ‘Com Deus me deito, com Deus eu me levanto...’ Eu olho pra todo lado, debaixo da cama, dentro do guarda-roupas... e só vejo eu deitado com ela. Portanto já estou acreditando que eu sou Deus.” Sem dúvida, Seu Antônio foi uma grande figura é um dos meus heróis dos tempos de criança.

Um abraço a todos da Comunidade do Curral do Meio, principalmente os descendentes desse saudoso cuiteense, que deve está divertindo os anjos lá no céu, com suas prosas matutas.


Alcides Martins de Medeiros

Category:

2 comentários:

  1. PARABÉNS PELA HISTÓRIA QUE DEMONSTRA A RIQUEZA CULTURAL DO POVO NORDESTINO COM SEUS CONTOS,PASSADOS QUE NÃO PODEMOS DEIXAR QUE O TEMPO APAGUE SEM QUE A POSTERIDADE CONHEÇA ESSAS PERSONALIDADES QUE MARCARAM A NOSSA VIDA.

    ADAILTON GOMES NOVA FLORESTA
    adailtongomesnf@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. ALCIDES Que mais estórias como essa,sejam contadas,pois sou fã,desse tipo de prosa. parabéns.
    VICENT D'GOURNAI

    ResponderExcluir

Deixe aqui registrada a sua opinião, este é um espaço aberto ao debate!
A sua identificação é bem vinda!
Acima de tudo RESPEITO às opiniões!

Participe e volte sempre!