.

Dica de Saúde com Josy Cavalcante

Cuité Pb online | 14:23 | 2 Comentários

Partilhar

SÍNDROME DO NINHO VÁZIO

“Era uma vez uma bela casa, nela moravam mulher, marido e três filhos. A bagunça era muito grande, pois as crianças e seus amiguinhos tinham energia demais.
A mãe, sempre zelosa, cuidava atentamente dos queridos pestinhas, enquanto o marido trabalhava.
Não era fácil dar conta de tudo, mas ela fazia aquilo com muito amor. Mais tarde, na adolescência, as “crianças” mostraram que não eram mais crianças e começaram a causar conflitos. Chegavam de madrugada e até montaram uma banda na garagem.
O pai pedia para que a mãe solucionasse os problemas cotidianos, pois a vida dele já era bastante dura durante o turno de trabalho. Nessa época, a casa viviacheia de gente, logo vieram as namoradas e os namorados, que mudavam de cara e de nome com o passar dos meses.
No tempo certo, os dois  filhos casaram-se, a filha foi morar numa cidade maior, para cursar faculdade.
E a casa, que antes era cheia de entra e sai e blábláblá, agora reservava uma paz exagerada, um silêncio incômodo, por vezes melancólico ... e foi assim que o ninho ficou vazio.”


A Síndrome do Ninho Vazio foi definida como o sofrimento associado à perda do papel da função parental com a saída dos filhos da casa dos pais.Esta síndrome é bastante presente nas famílias nos dias de hoje, visto que, os filhos estão deixando suas casas mais cedo para estudarem fora ou até mesmo formarem suas próprias famílias.

Em sua grande maioria, esta síndrome acomete mais mulheres do que homens, devido ao longo tempo em que estas se dedicam a casa e ao cuidado dos filhos; apesar desta síndrome está crescendo significativamente nos homens nos dias de hoje, pelo fato das mulheres assumirem um papel no mercado de trabalho, invertendo o quadro com o parceiro.

As principais manifestações clinicas são: Melancolia, depressão, sensação de perda, tristeza exagerada, sensação de inutilidade, esvaziamento, desanimo, falta de objetivo, etc.

Se você está passando por essa crise ou poderá passar em breve, a recomendação é para que se relacione com diferentes pessoas, procure participar de atividades em grupo. Em casos mais graves procure orientações psicológicas, com isso, você poderá reorganizar seus projetos de vida, tirando de foco a ausência do filho. 

Por JosyCavalcanti
Um abraço e até a próxima semana...

Category:

2 comentários:

  1. Muito interesssnate a temática desenvolvida nesta postagem, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Israel! Continue nos acompanhando...

    Josy Cavalcanti

    ResponderExcluir

Deixe aqui registrada a sua opinião, este é um espaço aberto ao debate!
A sua identificação é bem vinda!
Acima de tudo RESPEITO às opiniões!

Participe e volte sempre!