.

COLUNA DEMA MACEDO

Cuité Pb online | 12:12 | 7 Comentários

Partilhar UFCG Campus Cuité e o Cristo Enclausurado.
Por Dema Macedo




As ultimas estações da Via Sacra de Cuité se encontram entre cercas e grades, o portão que dá acesso é trancafiado a cadeado. A doação da área do olho d’água para instalação do Campus UFCG de Cuité foi louvável. No entanto a parte superior que se encontram as estátuas que representam as ultimas estações deveriam ser preservadas o acesso livre aos visitantes e moradores, poder tirar fotos ou mesmo orar e contemplar, ali bem próximo.
Pelo menos esse cercado fosse feito por trás das estátuas deixando parte do entorno livre, será possível que para se fazer a via crucis em Cuité até nas ultimas estações peça para soltar o Cristo," liberar o espaço", que outrora era do povo. Certamente se Padre Donato ou até mesmo o Padre Severino estivessem na paróquia de Cuité, não deixaria acontecer tal ato.


Pessoas que contribuíram com a vinda da Universidade para Cuité que se diga de passagem um avanço não só para a cidade como região. Mas será que o Padre Luiz Couto (Dep. Federal), o Magnífico Reitor Thompson Mariz, o ex Prefeito Antonio Medeiros quando prefeito junto à câmara fez acertadamente a doação para o campus, foram avisados que iriam cercar o Cristo porque as estações estão a poucos metros quadrados entre vários hectares doados? . Certamente que o Padre Luiz Couto, “católico” imaginar o Cristo bloqueado entre cercas e matos, Antonio Medeiros que construiu a Via Sacra, conceber tal judiação, certamente que não. Isso chega a ser constrangedor e que perfeitamente esse erro pode ser corrigido.
Estamos falando das estações que o Cristo sofreu e quando nos momentos de ressurreição, hoje em Cuité ainda sofre com a divisória de uma cerca e cadeado, onde separa  dos seus seguidores a lhe acolher.

Cuité poderá resgatar de forma diferente a Paixão de Cristo com tema religioso atual.Nesse caminho desde o inicio da Rua 25 de janeiro até a ultima estação, poderá ser feita com criatividade que não falta ao filho de Cuité da Cultura como exemplo que aparece no cinema regional (Ismael Moura). Prata da casa. Necessário que o poder publico municipal faça a conclusão, cerca de novecentos metros de pavimentação. Pavimentar não só de pedra, mas de amor esse caminho de Deus.

Como filho de Cuité e visitante, espero ter contribuído com o texto, espero do nosso conterrâneo Ramilton Marinho, que foi meu professor e hoje diretor do CES do Campus UFCG de Cuité entenda que não é afronta e sim liberdade de expressão, que possa aproximar a UFCG a comunidade externa do campus, espiritualmente correto. Espero que o poder publico municipal, câmara dos vereadores, sociedade civil organizada e comunidade católica possam reivindicar o espaço livre para o Cristo, que assim seja. 

Talvez se perguntássemos para o Cristo agora- Ei Jesus Me diga aí, como posso chegar até o senhor? – Ah! Com certeza ouviríamos dele as palavras mais sábias já ditas: Por Deus. Na Bíblia Cristã, no livro de Mateus capitulo quatro, observo a experiência de Cristo. Não havia naquele espaço sombra e água fresca e sim muita pedra e poeira na face. Sendo tentado o tempo todo, Jesus crescia como homem e como líder, sozinho mesmo, nesse espaço maravilhoso e de reflexão.

Category:

7 comentários:

  1. Bom texto! Verdade Pura... A via sacra sem a crucificação se torna vã! É mais um descaso dos muitos [infelizmente] da cidade de Cuité!

    ResponderExcluir
  2. Thiago Ramos Balbino2 de junho de 2011 às 15:54

    Gostei do texto, agora queria tecer aqui alguns comentários a respeito.

    1. O fato das estátuas estarem fechadas se dá devido à doação do terreno a UFCG Campus Cuité e ela fez o fechamento citado.

    2. Não é o fato dos Padres Donato e Severino Firmino não estarem aqui que reverteria o quadro, mas sim, a sensibilidade da universidade em manter aquele espaço aberto para o acesso do público. Aliás tenho certeza que o Padre Luciano já deva ter entrado em contato com a direção da universidade para ver a situação visto que este ano tivemos que rezar a Via-Sacra do lado de fora porque não estava aberto o acesso às imagens.

    3. Seria interessante que nós lancemos um movimento popular para que a direção do Centro de Educação em Saúde possa manter o mirante aberto, para que os populares possam ter acesso as estátuas

    ResponderExcluir
  3. Belíssimo e importante texto...digno de uma boa reflexão não só pelas autoridades, mais também pelos cidadãos cuiteenses...

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que não pode-se perder de vista que patrimônio público é PÚBLICO. Por mais que a área tenha sido doada à uma universidade que é pública, diga-se de passagem, deveria ser respeitada a questão de que, não só a estátua como o letreiro com o nome de Cuité, são locais de VISITAÇÃO, que deveriam estar livres para isso. As estátuas certamente foram erguidas naquele local pela paisagem, pelo fato da natureza chamar a atenção, intuito de atrair olhares, turistas quem sabe...
    Aí eu me pergunto: e o projeto de "mirante" que se tinha para aquela área?! Será que ele vai ser construído (se é que um dia será)dentro da cerca?! Ou agora que a universidade já está estabelecida naquele local, não se pensa mais nisso?
    Não se pode trancafiar o Cristo dentro de uma cerca, e se ter que realizar a Via Sacra do lado de fora, não tem cabimento. Quanto a postura dos padres, certamente os mentores desta universidade aqui, Padre Luiz Couto e Padre Silvestre, certamente, no mínimo, não ficariam felizes com este cadeado.

    ResponderExcluir
  5. Aqui se faz aqui se paga... Será que nós Cuiteenses merecemos este comentário tecido de uma frase curta mais que de muito poder crítico? Pois digo de passagem que não merecemos e como todo e qualquer patrimônio público pertence a comunidade daquela região assim se faz entender que a UFCG - Campus Cuité não pode se omitir deste direito que assiste a todos os Cuiteenses, e olhem que foram gastos muitos reais do poder público que deveria ter servido para outras necessidades e hoje está lá fechado atrás de portões e cadeados tirados do povo como se a UFCG não fosse patrimônio público e sim particular não sei de quem... Infelizmente estamos sem esse direito de entrar e sair de um espaço público, mas nada nos impede de falar e expor as mais formuladas opiniões até que os poderes públicos hajam e nós cidadãos cuiteenses estamos aqui pra isso.

    ResponderExcluir
  6. Pessoas, penso que o acesso ao local público, jamais deveria ser fechado, até mesmo independente de religião. Se é público, o nome já diz, não deveria haver privilégios de direitos. O acesso a esse local tão importante da Cidade, deveria sim, ser livre para todos. Também uma vez que à Universiadade está de posse do local, no mínimo deveria além de garantir o acesso público, também fazer a manutenção do local. Do mais que eu saiba, esse local antes, sempre teve livre acesso a todos. Esse texto é realmente de suma importância.

    ResponderExcluir
  7. meu amigo Dema Macedo,é de grande importância saber que existe pessoas com mentes apurada,com extrema sabedoria e poder para despertar na mente dos injusto que não se deve agir como Tal.

    ResponderExcluir

Deixe aqui registrada a sua opinião, este é um espaço aberto ao debate!
A sua identificação é bem vinda!
Acima de tudo RESPEITO às opiniões!

Participe e volte sempre!